19.9.15

Métodos de Partida Trifásica - Acionamentos com Freqüência Variável (VFDs) - Partida de motor - Métodos e Características de Partida com Voltagem Reduzida - Manual de Aplicação - Grupos Geradores Arrefecidos a Água T-030d-07 08/03 - Cummins

Para aplicações de partida de motor, tanto a queda de voltagem transiente inicial quanto a voltagem de retomada devem ser consideradas. Um gerador deve ser dimensionado de modo a não exceder a queda de voltagem transiente inicial especificada para o projeto e de modo que ele retorne a um mínimo de 90% da voltagem nominal de saída com os kVA aplicados ao rotor do motor totalmente travado.

Assim, o motor pode fornecer aproximadamente 81% (0,9 x 0,9 = 0,81) de seu torque nominal durante a aceleração, o que tem provado ser adequado para a maioria das aplicações de partida. Em vez de especificações de um projeto único, uma queda de voltagem de 35% na partida é considerada aceitável em uma situação de partida do motor de um grupo gerador.

Existem vários tipos de motores de partida com voltagem reduzida para diminuir os kVA na partida de um motor onde o torque reduzido do motor é aceitável. Reduzindo-se os kVA de partida do motor, pode-se reduzir a queda de voltagem, o tamanho do grupo gerador e proporcionar uma partida mecânica mais suave. Entretanto, conforme discutido a seguir, deve-se tomar cuidado quando se usa estes motores de partida em grupos geradores.


Métodos de Partida Trifásica: Existem vários métodos disponíveis para a partida de motores trifásicos, conforme resumido na Tabela 3-4 e conforme indicado no Apêndice C – Partida de Motores com Voltagem Reduzida. O método mais comum de partida é a partida direta através da linha (voltagem total). Os requisitos de partida do motor podem ser reduzidos aplicando-se algum tipo de motor de partida com voltagem reduzida ou de alimentação estável, resultando na recomendação de um grupo gerador menor.

Entretanto, deve-se tomar cuidado ao aplicar qualquer um destes métodos de partida com voltagem reduzida. Como o torque do motor é uma função da voltagem aplicada, qualquer método que reduza a voltagem do motor também reduzirá o torque do motor durante a partida. Estes métodos de partida devem ser aplicados somente para cargas de motores de baixa inércia, a menos que possa ser determinado que o motor produzirá torque adequado para a aceleração durante a partida. Alem disso, estes métodos de partida podem produzir correntes de pico muito altas na transição de partida para funcionamento (caso a transição ocorra antes que o motor atinja a rotação de funcionamento), resultando em requisitos de partida próximos aos da partida através da linha. Se o motor não atingir uma rotação próxima à rotação de funcionamento antes da transição, poderão ocorrer quedas excessivas de voltagem e de freqüência quando estes motores de partida forem utilizados com grupos geradores. Se você não estiver seguro sobre como o motor de partida e a carga reagirão, assuma a partida através da linha.


Acionamentos com Freqüência Variável (VFDs): Entre todas as classes de carga não-linear, os acionamentos com freqüência variável, utilizados para controlar a rotação de motores de indução, induzem a maior distorção na voltagem de saída do gerador. Alternadores maiores são necessários para evitar o superaquecimento do alternador devido às correntes harmônicas induzidas pelo acionamento com freqüência variável, e para limitar a distorção de voltagem do sistema reduzindo a reatância do alternador.

Por exemplo, cargas VFD inversoras de fontes de corrente convencionais em um gerador devem ser menores que aproximadamente 50% da capacidade do gerador para limitar a distorção harmônica total para menos de 15%.

Mais recentemente, VFD’s Modulados em Largura de Pulso têm se tornado cada vez mais baratos e comuns e induzem substancialmente menos harmônicos. O alternador deve ser superdimensionado em apenas 40% para estes acionamentos.



Nenhum comentário:

Postar um comentário