5.9.15

Introdução - Desastres ocorridos à partir da década de 70 - MANUAL DE PLANEJAMENTO DE EMERGÊNCIA

MANUAL DE PLANEJAMENTO DE EMERGÊNCIA

Introdução

A necessidade da elaboração de Planos de Emergência, em função do considerável aumento dos riscos tecnológicos se torna uma necessidade real e cada vez mais constante. Os acidentes ocorridos inicialmente em indústrias nucleares e os outros desastres tecnológicos ocorridos principalmente a partir da década de 70 entre os quais podemos citar:

- Vazamento de dioxina em Seveso, 1976;



- Vazamento de Isociananto de Metila (MIC) em Bhopal, Índia, 1984;



Esses acidentes levaram a comunidade internacional a estabelecer os seguintes protocolos que visavam a segurança comunidades ao redor das instalações industriais:

- Diretriz Seveso;
-Plano APELL (UNEP – United Nations Environmental Program);
- EPCRA (Emergency Planning and Community Right-to-Know Act)- 1986.


Entretanto ainda hoje, a falta de uma metodologia pré-estabelecida em termos gerais faz com que não haja um padrão específico deste tipo de planejamento, entretanto alguns elementos são considerados fundamentais para a elaboração de um plano e estes são cobertos aqui nesta publicação.

Não é nosso interesse em estabelecer uma regra geral para a elaboração de Planos de Emergência os quais variam de acordo com a natureza do risco, por outro lado ele pode servir de um guia para o planejamento prévio contra situações de emergência.


Na realidade um Plano de Emergência pode ser definido como a sistematização de um conjunto de normas e regras de procedimentos, destinadas a minimizar os efeitos dos desastres que se prevê que venham a ocorrer em determinadas áreas sob determinadas condições, gerindo de forma otimizada o emprego de recursos e a participação de pessoal técnico-especializado para lidar com eles. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário