18.7.15

Mangueira para combate a incêndio - Tipos de mangueiras - Identificação de mangueira de incêndio - Frequência com que devem ser realizadas inspeções e manutenções - Prevenção e Combate a Sinistros causados por Incêndio


Mangueiras

As mangueiras de incêndio são constituídas por duto flexível com dispositivos, nas extremidades (Figura 4.8), que permitem o seu acoplamento a outros equipamentos. Esse dispositivo de acoplamento deve ser do tipo engate rápido.



Tipos de mangueiras

Conforme o estabelecido pela NBR 11861:1998, as mangueiras para combate ao fogo são classificadas da seguinte forma:

a) Mangueira tipo 1 – mangueira construída com um reforço têxtil. Pressão de trabalho de 980 kPa (10 kgf/cm²);

b) Mangueira tipo 2 – mangueira construída com um reforço têxtil. Pressão de trabalho de 1.370 kPa (14 kgf/cm²);

c) Mangueira tipo 3 – mangueira construída com dois reforços têxteis sobrepostos. Pressão de trabalho de 1.470 kPa (15 kgf/cm²);

d) Mangueira tipo 4 – mangueira construída com um reforço têxtil, acrescido de uma película externa de plástico. Pressão de trabalho de 1.370 kPa (14 kgf/cm²);

e) Mangueira tipo 5 – mangueira construída com um reforço têxtil, acrescido de um revestimento externo de borracha. Pressão de trabalho de 1.370 kPa (14 kgf/cm²).


A escolha do tipo de mangueira que será utilizado em determinada situação é definida em função do tipo de local, da pressão de trabalho e de ruptura, da resistência à abrasão e da resistência a superfícies quentes.



Toda mangueira destinada ao combate a incêndio deve ser identificada com uma marcação indelével (Figura 4.9) em caracteres de 25 mm de altura, com os seguintes dizeres:

• Nome e/ou marca do fabricante;
• Número da norma (NBR 11861:1998);
• Tipo de mangueira;
• Mês e ano de fabricação.


Da seguinte maneira:

Logomarca NBR 11861 Tipo X M/A


Onde:
Logomarca – é a marca da empresa que fabricou a mangueira
Tipo X – é o tipo da mangueira 1, 2, 3, 4 ou 5
M – é o mês de fabricação
A – é o ano de fabricação



Testes realizados nas mangueiras de combate a incêndio

As mangueiras de combate a incêndio só podem ser fabricadas e comercializadas se seguirem rigorosamente as determinações da Norma Brasileira NBR 11861:1998 – Mangueiras de incêndio – Requisitos e métodos de ensaio.


Os testes recomendados por esta norma, a serem realizados nas mangueiras de combate a incêndio, são:

a) Teste hidrostático;

b) Ensaio de perda de carga;

c) Ensaio de ruptura;

d) Ensaio de resistência à abrasão;

e) Ensaio de diâmetro interno;

f) Ensaio de aderência entre o tubo interno e o reforço;

g) Ensaio do material que compõem o tubo interno;

h) Ensaio de envelhecimento do reforço têxtil;

i) Ensaio de resistência à superfície quente;

j) Ensaio de envelhecimento acelerado da mangueira tipo 5.
      

Inspeção e manutenção periódicas das mangueiras

A inspeção, a manutenção e os cuidados necessários para manter as mangueiras de combate a incêndio em boas condições de uso devem ser realizados conforme as determinações da NBR 12779:2004. Assim, para toda mangueira de combate a incêndio que necessitar de inspeção e/ou na qual forem realizados procedimentos de manutenção, deverá ser emitido um certificado, por empresa especializada, que ateste a sua aprovação. As inspeções e as manutenções das mangueiras que estão em uso variam conforme o tipo e devem seguir as determinações da NBR 12779:2004 enumeradas no Quadro 4.4:



Toda vez que uma mangueira for utilizada em combate ao fogo, esta deverá ser encaminhada para inspeção a fim de que sejam verificadas as reais condições da mangueira, ou seja, se ela poderá ser novamente usada, se nela deverá ser realizada manutenção ou se deverá ser descartada.


Quando realizada inspeção visual, a mangueira para combate a incêndio não deve apresentar deformidades ou danos que coloquem em risco o funcionamento da mesma no momento do combate ao fogo. Caso exista constatação de não conformidade com as determinações de inspeção, segundo a NBR 12779:2004, a mangueira deverá ser encaminhada para manutenção. Na inspeção visual, deverá ser verificada a existência de:

a) Desgaste por abrasão e/ou fios rompidos na estrutura têxtil da mangueira;

b) Manchas e/ou resíduos, na superfície externa, provenientes de contato com produtos químicos ou derivados de petróleo;

c) Desprendimento do revestimento externo;

d) Evidência de deslizamento das uniões em relação à mangueira;

e) Dificuldade de acoplamento entre os engates rápidos;

f) Deformações nas uniões provenientes de quedas, golpes ou arraste;

g) Ausência de vedações de borracha nos engates das uniões ou vedação que apresentem ressecamento ou corte;

h) Ausência da marcação (identificação) do fabricante.

  

As mangueiras de combate ao fogo que forem condenadas para uso devem ser substituídas por mangueiras novas de mesmo tipo e diâmetro. Caso haja dúvida no dimensionamento da mangueira para combate ao fogo, deve-se consultar a ABNT – NBR 11861:1998.


Nenhum comentário:

Postar um comentário