6.10.13

SOCORRISTA - BIOSSEGURANÇA NO ATENDIMENTO - EXPOSIÇÃO COM SANGUE - São fontes e não fontes de infecção além do sangue - Condutas para Prevenção - Conduta em Caso de Acidente com material Biológico - Relatar e Documentar Atestado de Origem -Exposição por inalação de partículas ou por contato

BIOSSEGURANÇA NO ATENDIMENTO

É a condição de segurança alcançada por um conjunto de ações destinadas a prevenir, controlar, reduzir ou eliminar riscos inerentes às atividades que possam comprometer a saúde humana, animal e vegetal e o meio ambiente.

Durante o serviço de resgate o bombeiro militar está exposto a riscos de contato com sangue ou secreção contaminada, de inalação de partículas de risco biológico e de exposição a doenças transmitidas por contato. Durante o resgate o risco biológico maior é de contato com sangue, e durante o transporte de pacientes estáveis entre hospitais o risco maior é o de contrair doenças por inalação ou por contato.


EXPOSIÇÃO COM SANGUE

A exposição ao sangue durante um atendimento pode ocorrer de três formas:

1. Ocorre por perfuração de pele intacta (agulhas ou outros objetos cortantes);

2. Contato com mucosas (boca, olhos);

3. Contato com pele não intacta (dermatite, lesão traumática não cicatrizada).


São fontes de infecção além do sangue:

- Secreções vaginais;
- Sêmen;
- Líquor;
- Líquido sinovial e pericárdico;
- Líquido pleural e ascítico;
- Líquido aminiótico.


Não são fontes de infecção:

- Urina;
- fezes;
- Saliva;
- Escarro;
- Vômito;
- Suor;
- Lágrima;
- Coriza.


CONDUTAS PARA PREVENÇÃO

1º Lavar as mãos antes e após cada atendimento;

2º Usar luvas descartáveis;

3º Usar máscara facial;

4º Usar óculos de proteção;

5º Usar joelheira;

6º Usar capacete;

7º Vacinar-se contra hepatite B e tétano;

8º Manter o cartão de vacinas em dia;

9º Manter a manga da farda desdobrada;

10º Ter cuidado ao manipular objetos metálicos (agulhas e macas);

11º Uma vez que a seringa com agulha escape das mãos, nunca tentar pega-las no ar, somente quando repousar ao chão, resgate-a com cuidado.


CONDUTA EM CASO DE ACIDENTE COM MATERIAL
BIOLÓGICO

Tratar o local de exposição

1º Pele:
Lavar com água e sabão.

2º Mucosa boca:
Lavar com água ou soro fisiológico.

3º Mucosa do olho:
Lavar com soro fisiológico.

4º Não espremer o local ou usar desinfetantes como o álcool ou o hipoclorito. Não se provou benéfico, podendo ser teoricamente prejudicial.


Relatar e Documentar

1º Informar ao COB o ocorrido

2º Procurar assistência médica local imediatamente para verificar conduta:
- Durante horário comercial: No Serviço de segurança e medicina do trabalho do HUGO ou hospital de referência da cidade;
- Durante a noite e feriados procurar o médico do setor de sutura do HUGO para receber orientação.

3º Se não for possível receber orientação da conduta ou no caso de não haver assistência médica disponível no local, procurar assistência no Hospital de Doenças Tropicais (HDT). No caso das cidades do interior informar ao COB e pedir orientação ao médico regulador ou hospital de referência da cidade.


Atestado de Origem:

1º Data e hora;

2º Onde e como foi o ocorrido;

3º Providenciar duas testemunhas (o motorista e o outro socorrista);

4º Anotar o local do corpo e seu estado;

5º Se agulha, qual tipo;

6º Tipo, quantidade de material e grau de exposição;

7º Detalhes da fonte do contato (colher exames se possível – conseguir consentimento com a vítima ou a família);

8º Apresentar cartão de vacinas.



EXPOSIÇÃO POR INALAÇÃO DE PARTÍCULAS OU POR
CONTATO

A exposição a doenças infecciosas desta natureza ocorre comumente durante transporte de doentes entre hospitais. Habitualmente se há médico regulador ele na regulação da ocorrência define o grau de risco e as condutas que serão tomadas para prevenção. Durante o deslocamento para o atendimento do transporte a guarnição pode entrar em contato com o COB para receber orientações e esclarecimentos quanto aos procedimentos com a vítima e viatura.

Para doenças com risco de transmissão por inalação utilizar a máscara N95 e ter cuidado de circular ar na viatura por 15 minutos com janelas e portas abertas antes de retirar a máscara no final do transporte. Para doenças com risco de transmissão por contato utilizar as luvas de procedimento e descartá-las logo após o contato com paciente para não contaminar outras superfícies. Em caso de doenças de transmissão pelo ar e contato (por exemplo, herpes zoster em HIV positivo) utilizar a máscara N95, proceder à renovação do ar da viatura e utilizar as luvas descartáveis.


Nenhum comentário:

Postar um comentário